notícias & releases

<?php the_title( '

', '

' ); ?>

Procon-SP constata diferença de até 868,82% no interior e litoral paulista

Publicado em

Pesquisa realizada pelos núcleos regionais da Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, em 80 farmácias e drogarias de 11 cidades do interior e litoral do estado revela diferenças de até 868,82% nos preços dos medicamentos. O levantamento compara os preços entre os genéricos, entre os de referência e também compara a média dos preços entre eles.

O medicamento genérico Nimesulida, 100 mg, 12 comprimidos, foi encontrado em um estabelecimento da cidade de Campinas por R$ 18,02 e em outro, R$ 1,86 – diferença de 868,82% e de R$ 16,16 em valor absoluto.

Entre os medicamentos de referência, a maior variação também foi em Campinas: o medicamento Amoxil (Amoxicilina), da Glaxosmithkline – 500 mg, 21 cápsulas – foi encontrado em um local por R$77,71 e em outro por R$ 16,24. O que representa uma variação de 378,51% e de R$ 61,47 em valor absoluto.

A média dos preços dos genéricos em comparação aos de referência (de mesma apresentação), nos municípios paulistas, teve a maior diferença verificada em São José dos Campos, de 57,76%.

Confira a pesquisa completa clicando na cidade: Batatais, Bauru, Campinas, Ourinhos, Praia Grande, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Vicente e Sorocaba.

A pesquisa contou com a participação dos Procons municipais de Campinas, Praia Grande, Santos e São Vicente.

Na Capital

Na cidade de São Paulo, a maior diferença encontrada foi 1.357,95% entre os genéricos e de 378,51% entre os medicamentos de referência. Entre os preços médios dos genéricos com os de referência, de mesma apresentação, constatou-se que, em média, os primeiros são 57,17% mais baratos do que os de referência. Foram pesquisados 67 medicamentos (34 de referência e 33 genéricos). O levantamento foi feito de 8 a 10 de maio em 15 drogarias, distribuídas pelas cinco regiões do município. Confira a pesquisa completa clicando aqui.

Dicas do Procon-SP para compra de medicamentos

A lista de Preços Máximos (PMC) dos medicamentos fica disponível no site da Anvisa (www.anvisa.gov.br) e também nas farmácias e drogarias, que devem disponibilizá-la aos consumidores.

No ato da compra o consumidor deve observar se o número do lote, prazo de validade e data de fabricação que constam na caixa do medicamento são iguais aos marcados nas cartelas ou frascos. E também se consta o número de registro no Ministério da Saúde na embalagem.

Alguns medicamentos podem ser adquiridos por meio de programas sociais que são oferecidos pelo governo federal, estadual ou municipal, de forma gratuita ou com grandes descontos. Há estabelecimentos trabalham com descontos provenientes de planos de saúde ou com programas de fidelidade proveniente do laboratório e/ou drogaria.

Fundação Procon-SP
Assessoria de Comunicação