Seu navegador não suporta scripts. Por favor, acesse este site utilizando outro navegador de sua preferência.

Fundação PROCON SP


Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania de São Paulo

Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor

TERÇA-FEIRA, 25 DE NOVEMBRO DE 2014

12/02/2007 Taxa de empréstimo bancário tem ligeira alta, segundo pesquisa do Procon-SP

A Fundação Procon-SP realizou em dez instituições financeiras, no dia 2 de fevereiro, pesquisa de taxas de juros de empréstimo pessoal e cheque especial para pessoa física. Os bancos pesquisados foram HSBC, Banespa, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander, Nossa Caixa, Real e Unibanco.
 
Empréstimo Pessoal - a taxa média dos bancos pesquisados foi de 5,37% a.m., superior à do mês anterior, que foi de 5,30% a.m., significando um acréscimo de 0,07 ponto percentual. As altas verificadas nas taxas de empréstimo pessoal foram:

HSBC – alterou de 4,18% para 4,67% a.m., o que significa um acréscimo de 0,49 ponto percentual, representando uma variação positiva de 11,72% em relação à taxa de janeiro/07;

Banco Real – alterou de 6,30% para 6,50% a.m., o que significa um acréscimo de 0,20 ponto percentual, representando uma variação positiva de 3,17% em relação à taxa de janeiro/07. A única queda verificada foi do Bradesco, que alterou sua taxa de 5,59% para 5,57% a.m., o que significa um decréscimo de 0,02 ponto percentual, representando uma variação negativa de 0,36% em relação à taxa de janeiro/07.
As demais instituições financeiras da amostra não alteraram suas taxas no empréstimo pessoal.
  
Cheque Especial - a taxa média dos bancos pesquisados foi de 8,15% a.m., mesmo percentual do mês anterior, em função do arredondamento de casas decimais. A taxa média de janeiro foi de 8,150% a.m. e neste mês foi de 8,148%, devido à queda da taxa do Banco do Brasil.
 
O Banco do Brasil alterou a taxa de cheque especial de 7,70% para 7,68% a.m., o que significa um decréscimo de 0,02 ponto percentual, representando uma variação negativa de 0,26% em relação à taxa de janeiro/07. Os demais bancos mantiveram suas taxas.
 
Considerando que existe a possibilidade de variação da taxa do empréstimo pessoal em função do prazo do contrato, foi estipulado o período de 12 meses, já que todos os bancos pesquisados trabalham com este prazo. Vale lembrar, também, que os dados coletados referem-se a taxas máximas pré-fixadas para clientes não preferenciais, sendo que para o cheque especial foi considerado o período de 30 dias.
 
A pesquisa realizada pelo Procon-SP constatou que, no empréstimo pessoal, as mesmas instituições financeiras que alteraram suas taxas no mês passado, voltaram a fazê-lo neste mês. Desta vez, contudo, o movimento foi no sentido contrário, fazendo com que a taxa média voltasse ao mesmo patamar de dezembro/2006. A alta deste mês, portanto, não evidencia nenhuma tendência.
 
No cheque especial, a taxa média continua se mantendo, pelo quarto mês consecutivo.
Na primeira reunião de 2007 do COPOM – Comitê de Política Monetária do Banco Central, ocorrida em janeiro, a taxa SELIC caiu de 13,25% para 13,00% ao ano. Uma redução de 0,25 ponto percentual.  
 
A taxa básica continua em queda, mas neste início de ano as autoridades monetárias demonstraram maior cautela e resolveram reduzir o ritmo do corte, possivelmente em função das incertezas quanto ao comportamento da inflação nos próximos meses. O comportamento do mercado financeiro reflete essa cautela e as instituições não estão promovendo alterações significativas em relação às suas taxas de juros.
 
A maioria dos consumidores continua sentindo os efeitos dos gastos do final de ano e das despesas típicas do começo do ano. Ao mesmo tempo, não sente ainda os efeitos práticos dessa queda da taxa básica da economia, uma vez que os juros continuam muito altos para o tomador de crédito.
 
Cabe ao consumidor analisar seu orçamento e, caso haja débitos pendentes no cartão de crédito ou utilização do limite do cheque especial – tão comuns nesta época do ano – avaliar se a contratação de uma linha de crédito mais barata (com taxa de juros mais baixa) não seria a melhor opção para quitar as pendências. Priorizar o pagamento de dívidas é a melhor maneira de se reequilibrar financeiramente.
   

12/02/2007
Assessoria de Imprensa / Procon-SP
Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania

Esta informação foi útil?




Se desejar outras orientações, envie sua dúvida para a equipe do Procon SP através de nosso canal de Atendimento Eletrônico.

Atendimento Eletrônico

 

Fundação PROCON SP - Todos os direitos reservados