Seu navegador não suporta scripts. Por favor, acesse este site utilizando outro navegador de sua preferência.

Portal do Governo do Estado de São Paulo

Fundação PROCON SP

Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor

Enviar por email Imprimir notícia


Cesta Básica - Outubro/2008

13/11/2008

Pesquisa do Procon-SP constata alta de 0,79%

O valor da cesta básica de outubro apresentou alta de 0,79%, revela pesquisa da Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, em convênio com o Dieese. O preço médio da cesta era de R$ 294,72 em 30 de setembro passou para R$ 297,06 em 31 de outubro.
 
Dos 31 produtos pesquisados, 17 apresentaram alta e 14 diminuíram de preço. Neste mês, o grupo Limpeza registrou a maior alta, 1,16% e os grupos de Alimentação e Higiene Pessoal apresentaram alta de 0,78% e 0,47%, respectivamente.
 
Dentre os produtos que compõem o grupo Alimentação, destacamos os que registraram as maiores altas de preço neste mês: carne de primeira – kg. (9,83%); açúcar refinado – pacote 5 kg (7,29%); batata – kg (5,93%) e queijo muzzarela fatiado – kg (3,62%). Os que apresentaram a maior queda de preço no período foram: cebola – kg (-22,84%) e ovos brancos – dz (-10,30%).
 
A variação no ano é de 14,88% (base 27/12/2007) e, nos últimos 12 meses, de 24,34% (base 31/10/2007). O último recorde da cesta básica desde o Plano Real foi de R$ 305,30, em 23/07/2008.
 
É importante salientar que os aumentos ou quedas de preço dos produtos que compõem a cesta básica nem sempre estão atrelados a algum desequilíbrio entre oferta e demanda, motivado por razões internas (quebras de safra, política de preços mínimos aos produtores, conjuntura econômica do país, etc.) ou por razões externas (mudanças no cenário internacional, restrições políticas ou sanitárias às importações brasileiras, etc.). As alterações de preços, especialmente as de pequena magnitude, podem refletir tão somente procedimentos adotados por determinados supermercados da amostra, seja para estimular a concorrência, para se destacar em algum segmento, ou simplesmente para desovar estoques através do rebaixamento temporário dos preços.
 
A análise a seguir pretende focalizar os produtos com maior participação na variação do valor médio da cesta básica deste mês.
 
Carne
O mercado do boi gordo segue em alta. A demanda dos frigoríficos começou a crescer e a disponibilidade de animais prontos para o abate está recuando. Como a pecuária está passando por um ciclo de baixa produtividade – conseqüência do grande número de matrizes abatidas nos últimos anos, o que causou queda da oferta de bezerros – é natural que as cotações estejam subindo. Analistas do setor estimam, ainda, que a oferta de animais confinados deve continuar recuando, tendo em vista o alto custo dos insumos e a dificuldade para comprar bois magros.
Quanto ao setor exportador, a crise financeira internacional já começa a produzir seus efeitos. Empresas brasileiras exportadoras de carne bovina que têm cargas a caminho da Rússia ou paradas nos portos podem ter de redirecionar esses produtos para outros mercados caso não cheguem a um acordo. Os negócios com carne bovina entre os dois países estão parados depois que os importadores russos alegaram que a escassez de crédito – por causa da crise financeira – afeta sua capacidade de pagamento. A Rússia responde por quase 40% das exportações brasileiras de carne bovina. O que se vê hoje é uma forte diminuição no movimento – sem garantias de que vão receber pelas mercadorias, as empresas brasileiras não estão liberando os produtos.    
Na pesquisa da cesta básica de outubro, o preço da carne apresentou alta pelo segundo mês consecutivo (9,83% - carne de primeira e 1,88% - carne de segunda s/osso).

Açúcar
O preço do açúcar vem oscilando desde o início do ano, e nos três últimos meses encerrou em alta.
 
As chuvas na região Centro-Sul do Brasil prejudicaram a colheita de cana-de-açúcar na metade do mês de outubro e, com isso, houve queda no aproveitamento da moagem pelas usinas. Segundo informações da União da Indústria de cana-de-açúcar – UNICA, no estado de São Paulo (maior produtor de cana do país) a moagem da quinzena ficou cerca de 7% inferior a do mesmo período na safra anterior. Essa queda no total de cana moída influenciou principalmente a produção de açúcar, provocando restrição na oferta e elevação dos preços.
Na pesquisa da cesta básica de outubro, o açúcar refinado (pac.5 kg) apresentou alta pelo terceiro mês consecutivo: 7,29%. Foi a maior variação positiva mensal de preço do produto desde novembro/2007, quando apresentou aumento de 12,77% em relação ao mês anterior.

Batata
Ao contrário do ocorrido em setembro, quando a batata registrou queda expressiva de preço, no mês de outubro o movimento foi de alta. A área disponível para colheita em outubro foi aproximadamente 20% inferior à de setembro. Além disso, produtores de Vargem Grande do Sul vêm encontrando dificuldade em contratar mão-de-obra para a colheita, devido à concorrência da colheita de outras culturas. A oferta, portanto, esteve restrita nesse período e os preços subiram.
Na pesquisa da cesta básica de outubro, o preço da batata (kg) apresentou alta de 5,93%, depois de três meses de quedas consecutivas.

Cebola
A pesquisa da cesta básica continua registrando variações significativas de preços da cebola. A safra de 2008 vem sendo marcada pelo aumento dos preços dos insumos agrícolas, o que acarretou uma elevação considerável no custo de produção. Por outro lado, a maior oferta do produto, decorrente do pico da safra de algumas regiões paulistanas, aliada à entrada da cebola chilena e espanhola foram fatores determinantes para o rebaixamento dos preços.
 
Na pesquisa da cesta básica de outubro, o preço da cebola (kg) apresentou queda de 22,84%. Foi a maior variação negativa de preço do produto no ano.
 
Ovos
O preço dos ovos continua respondendo à redução do preço do milho, principal insumo de sua produção. A diminuição dos custos elevou a oferta do produto no mercado interno, que não foi acompanhada por um aumento proporcional da demanda. Como resultado, os preços declinaram.
 
Na pesquisa da cesta básica de outubro, o preço dos ovos brancos (Dz) apresentou queda de 10,30%, sendo a segunda maior variação negativa de preço no ano (a primeira ocorreu em janeiro: -10,34%).
 
 
 

13/11/2008
Assessoria de Imprensa
Procon-SP
 


 
Para orientações e denúncias ligue para 151. O horário de funcionamento é de segunda à sexta das 8h às 17h.
Fundação Procon - SP - Todos os direitos reservados