Seu navegador não suporta scripts. Por favor, acesse este site utilizando outro navegador de sua preferência.

Portal do Governo do Estado de São Paulo

Fundação PROCON SP

Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor

Enviar por email Imprimir notícia


Pesquisa de Medicamentos

26/5/2015

Medicamentos apresentam diferença de até 976% em São Paulo, revela pesquisa do Procon-SP

A conclusão é da pesquisa realizada pela Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, em 15 drogarias, distribuídas pelas cinco regiões do município de São Paulo, onde foram pesquisados 68 medicamentos, sendo 34 de referência e 34 genéricos.
 
Entre os medicamentos de referência, a maior variação foi de 296,06% na Amoxicilina, 500 mg, 21 cápsulas, da Glaxosmithkline. Em um estabelecimento ele custava R$ 15,48 e chegou a ser encontrado por R$ 61,31. O preço médio do medicamento é de R$ 45,49.
 
Entre os medicamentos genéricos, a maior diferença encontrada foi de 976,67% no Paracetamol, 200 mg/ml, gotas 15 ml. O custo variou entre R$ 0,90 e R$ 9,69. O preço médio do medicamento é de R$ 3,83.
 
Comparando-se os preços médios dos genéricos com os de referência, constatou-se que, em média, os medicamentos genéricos são 57,72% mais baratos do que os de referência, o que pode representar uma grande economia ao bolso do consumidor.
 
Confira a pesquisa completa clicando aqui.
 
No interior
 
Entre as cidades do interior participantes da pesquisa, a maior diferença encontrada foi de 910%, no medicamento genérico Nimesulida, 100 mg, 12 comprimidos, na cidade de Bauru. Em um estabelecimento ele custava R$ 1,77 e em outro, R$ 17,88.
 
Entre os medicamentos de referência, a maior variação também foi em Bauru. O Fenergan (Cloridrato de Prometazina), 25 mg, 20 comprimidos, da Sanofi - Aventis, apresentou variação de 397%. O custo variou entre R$ 2,00 e R$ 9,94.
 
A média dos preços dos genéricos em comparação aos de referência, nos municípios paulistas, teve a maior diferença, 60,56%, detectada em Santos. A menor diferença foi encontrada em São José do Rio Preto, 46,54%.
 
A pesquisa foi realizada em maio e envolveu em 98 farmácias e drogarias de 12 cidades do interior paulista. Confira a pesquisa completa clicando na cidade: Bauru, Caçapava, Campinas, Guarujá, Jundiaí, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Vicente e Sorocaba.
 
Dicas do Procon-SP para compra de medicamentos:
 
  • Evite comprar ou adquirir medicamentos sem bula e sem embalagem e antes de comprar o medicamento verificar sempre o prazo de validade.
     
  • Verifique se o número de lote, prazo de validade e data de fabricação que constam na caixa do medicamento são iguais aos marcados nas cartelas ou frascos.
     
  • Todo medicamento deve possuir o número de registro no Ministério da Saúde.
     
  • Guarde sempre o medicamento em local seco, arejado e fora do alcance de crianças. Tenha cuidado especial com remédios de formato ou aroma atrativo às crianças (formato de bichinhos, cheiro ou gosto de chiclete ou bala, etc.)
     
  • A lista com o preço máximo dos medicamentos pode ser consultada no site da Anvisa (www.anvisa.gov.br).
 
Informações sobre o trabalho do Procon-SP no site: www.procon.sp.gov.br
 
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/proconsp
Dicas e orientações sobre defesa do consumidor no blog: http://educaproconsp.blogspot.com.br
 
Fundação Procon-SP
Assessoria de Comunicação


 
Para orientações e denúncias ligue para 151. O horário de funcionamento é de segunda à sexta das 8h às 17h.
Fundação Procon - SP - Todos os direitos reservados