Seu navegador não suporta scripts. Por favor, acesse este site utilizando outro navegador de sua preferência.

Portal do Governo do Estado de São Paulo

Fundação PROCON SP

Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor

Enviar por email Imprimir notícia


Pesquisa medicamentos

30/5/2012

Média de diferença entre genéricos e de referência é de 53%

 
Média de diferença entre genéricos e de referência é de 53%,
 mas alguns itens chegam a 2.000%.
 
A conclusão é da pesquisa realizada pela Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, em farmácias e drogarias da capital e do interior. Em um estabelecimento de São Paulo, o medicamento genérico Diclofenaco Sódico (50 mg, 20 comprimidos) foi encontrado por R$ 0,90, enquanto em outra farmácia, o Voltaren, forma de referência do mesmo item, foi encontrado por R$ 24,90. Diferença de 2.766% entre os preços.

Acesso à pesquisa completa está no final do release. A Fundação Procon-SP informa que o objetivo da pesquisa é esclarecer o público e que os seus resultados não poderão ser utilizados para fins publicitários.

Para o diretor executivo da Fundação Procon-SP, Paulo Arthur Góes, a diferença é significativa e o consumidor precisa ficar atento ao comprar o medicamento. "Os genéricos são sempre mais baratos, mas mesmo sendo produzidos pelo mesmo laboratório podem ser cobrados por preços diferentes entre as farmácias, por isso é fundamental pesquisar".

Segundo a diretora de Estudos e Pesquisas, Valéria Garcia, apesar de alguns picos na variação dos preços, na comparação, em média os medicamentos genéricos são 52,92% mais baratos do que os de referência, o que pode representar uma grande economia ao bolso do consumidor. "Antes de fazer a pesquisa é interessante que o consumidor consulte a lista de preços máximos dos medicamentos, disponível no site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( www.anvisa.gov.br)", orienta.

A consulta também pode ser efetuada nas listas de preços que devem estar disponíveis ao consumidor nas unidades do comércio varejista, ou seja, nas farmácias e drogarias, conforme determina a Resolução da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos.

No interior

No interior paulista, a maior variação de preços entre medicamentos genéricos e de referência apontada por pesquisas realizadas pelo Procon-SP em 11 cidades do interior paulista, foi de 60,23%, registrada em São José dos Campos e a menor em Jundiaí, com 46,42% em média dentre as farmácias e drogarias pesquisadas.

Mas a atenção para as diferenças de preço também valem para itens da mesma categoria. Segundo a pesquisa, entre os medicamentos de referência, a maior delas foi de 418,72%, encontrada em Campinas, onde o medicamento Cozaar (Losartana Potássica) da Merck Sharp (50 mg – 30 comprimidos) estava sendo comercializado por R$ 43,78 em um estabelecimento e por R$ 8,44, em outro, diferença de R$ 35,34.

Outro exemplo foi de um item genérico encontrado em Sorocaba, com diferença de preço de 718,71%. O Diclofenaco Sódico (50mg - 20 comprimidos) foi encontrado por R$11,38 e por R$1,39. Diferença de R$9,99 entre os estabelecimentos.

Veja abaixo nos links as pesquisas completas por cidade.

São Paulo (capital)
Araçatuba
Bauru
Caçapava - em parceria com o Procon municipal
Campinas - em parceria com o Procon municipal
Jundiaí - em parceria com o Procon municipal
Marília
Presidente Prudente
Santos
São José dos Campos
Sorocaba
Taubaté - em parceria com o Procon municipal


30/5/2012
Fundação Procon-SP
Assessoria de Comunicação


 
Para orientações e denúncias ligue para 151. O horário de funcionamento é de segunda à sexta das 8h às 17h.
Fundação Procon - SP - Todos os direitos reservados