Seu navegador não suporta scripts. Por favor, acesse este site utilizando outro navegador de sua preferência.

Portal do Governo do Estado de São Paulo

Fundação PROCON SP

Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor

Enviar por email Imprimir notícia


Redução de juros

16/5/2012

Em levantamento sobre anúncios de redução de juros feitos pelos bancos Bradesco, HSBC, Itaú, Santander, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, a Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania,  detectou informações conflitantes e insuficientes para que o consumidor  consiga escolher a melhor opção dentre as oferecidas.  
 
O diretor executivo da Fundação Procon-SP, Paulo Arthur Góes, afirma que as instituições serão notificadas pelo Procon-SP para provar a veracidade das informações colhidas nos sites e releases enviados para a imprensa. “A orientação para o consumidor é que ele pesquise para escolher melhor, mas é obrigação das instituições financeiras informarem de forma clara e didática tudo sobre o produto que está sendo adquirido, incluindo dados sobre possíveis riscos e perdas”.
 
Paulo Arthur explica também que as reduções divulgadas amplamente na mídia, acabam beneficiando apenas o grupo de correntistas que optem por pacotes de serviços ou sejam privilegiados por receberem o salário no banco. 
 
 
Falhas e informações conflitantes
 
Dirigidos, principalmente, aos correntistas que pretendem renegociar dívidas ou contrair empréstimos, os anúncios dos bancos não informam a taxa máxima oferecida ao produto, dado importante, pois o fato de haver taxa mínima não significa que o consumidor terá fácil acesso a ela. Segundo as tabelas de taxas praticadas em 2 de maio solicitadas pelo Procon-SP às instituições, para o cartão de crédito rotativo do Bradesco, por exemplo, a taxa mínima é de 2,10% ao mês e  a taxa máxima pode chegar a 14,99%. Diferença significativa. No documento enviado pelo Itaú, a taxa mínima para o crédito direto ao consumidor (CDC) para financiamento de veículos é de 0% e a máxima, 2,82%. 
 
  (proibida a utilização desses dados para fins publicitários)
 
O conflito de informações, na verdade nas contas feitas para chegar ao percentual de redução que o banco divulga, foi outro problema detectado pelo estudo desenvolvido pela Diretoria de Estudos e Pesquisas (DEP) do Procon-SP. Um exemplo é o anúncio de redução de 87% na taxa de juros do “Cartão Azul”, da Caixa Econômica Federal, apresentado ao consumidor com a taxa de 2,85% ao mês. Mas, esse é produto é novo, portanto, não há números anteriores para fazer qualquer comparação. Para chegar nessa diferença, a Caixa comparou com outro produto já existente e usado por seus clientes.
 
O levantamento da divulgação feita nos sites dos bancos indica que há confusão também na nomenclatura dos produtos oferecidos pelos bancos, o que pode dificultar a comparação que o consumidor deve fazer. Um exemplo é a divulgação do Bradesco sobre a taxa que informa ser para crédito pessoal. Neste caso, o consumidor precisa de mais detalhes, pois o banco possui diversas linhas de crédito pessoal e com uma taxa de juros para cada uma. O limite de crédito pessoal, por exemplo, tem taxa de 6,91%, enquanto o crédito pessoal online fica em 5,59% ao mês.
 
A portabilidade de crédito – quando o consumidor transfere sua dívida com o banco para outra instituição com taxas mais atrativas, mantendo o número de parcelas a pagar – também está sendo confundida com o refinanciamento, que amplia o número e reduz o valor da parcela, porém tem um custo total a pagar maior do que a dívida original. Confira as dicas sobre o tema no blog do Procon-SP.
 
 
Dicas para o consumidor
 
Para Paulo Arthur, as informações divulgadas pelos bancos ainda estão muito confusas, por isso o consumidor deve ter o máximo de cuidado para trocar a instituição e renegociar sua dívida. “É preciso muita pesquisa e cautela, pedindo sempre informações claras e precisas do banco, até que se tenha a total compreensão e certeza para o próximo passo”, aconselha.
 
 O consumidor que tiver dúvidas ou quiser fazer uma reclamação, pode procurar o Procon de sua cidade ou um dos canais de atendimento da Fundação:
 
Orientações: 151 (Só para a capital).
 
Pessoalmente: de segunda à sexta-feira, das 7h às 19h. Sábados, das 7h às 13h, nos postos dos Poupatempo, sujeito a agendamento no local.
Sé - Praça do Carmo, S/N, Centro. Telefone: 0800-772-3633.
Santo Amaro - Rua Amador Bueno, 176/258 - São Paulo - SP (próximo ao Largo Treze de Maio). Telefone: 0800-772-3633.
Itaquera - Av. do Contorno, S/N, Itaquera (ao lado do metrô). Telefone: 0800-772-3633.
Nos postos dos Centros de Integração da Cidadania (CIC) Norte, Leste, Oeste, São Luiz e Feitiço da Vila, de segunda à quinta-feira, das 9h às 15h. No CIC Imigrantes o atendimento é às segundas, das 9h às 15h.
 
Fax: (11) 3824-0717.
 
Cartas: Caixa Postal 3050, CEP 01031-970, São Paulo-SP.
 
Na Grande São Paulo e interior, o consumidor pode procurar o órgão municipal.
 
Informações sobre o trabalho do Procon-SP no site: www.procon.sp.gov.br.
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/proconsp
Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/@proconspoficial.
Dicas e orientações sobre defesa do consumidor no blog http://educaproconsp.blogspot.com.
 
14/5/2012
Assessoria de Comunicação
Fundação Procon-SP


 
Para orientações e denúncias ligue para 151. O horário de funcionamento é de segunda à sexta das 8h às 17h.
Fundação Procon - SP - Todos os direitos reservados