Seu navegador não suporta scripts. Por favor, acesse este site utilizando outro navegador de sua preferência.

Portal do Governo do Estado de São Paulo

Fundação PROCON SP

Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor

Enviar por email Imprimir notícia


Medicamentos - Pres. Prudente

9/6/2010

Pesquisa do Procon-SP constata diferença de preços de até 495,45%

Pesquisa da Fundação Procon-SP realizada pelo núcleo regional de Presidente Prudente constatou diferenças de até 495,45% entre os medicamentos genéricos e de até 98% entre os medicamentos de referência. O levantamento, realizado de 3 a 5 de maio nas farmácias e drogarias das cidades de Presidente Prudente e Araçatuba, revela a importância de o consumidor comparar os preços em diversos estabelecimentos antes de efetuar uma compra.
 
Comparando-se os preços médios dos genéricos com os de referência de mesma apresentação constatou-se que, em média, os medicamentos genéricos são 48,44% mais baratos do que os de referência, o que pode representar uma grande economia ao bolso do consumidor. As maiores diferenças foram:
 
Entre os medicamentos de referência: Clonazepam - Rivotril  
Apresentação: 2 mg - 20 comprimidos
Maior preço: R$ 8,44
Menor preço: R$ 4,26
Diferença: R$ 4,18 (98%)
 
Entre os medicamentos genéricos: Diclofenaco sódico
Apresentação: 50 mg – 20 comprimidos
Maior preço: R$ 11,79
Menor preço: R$ 1,98
Diferença: R$ 9,81 (495,45%)
 
Acompanhe o número de itens, por estabelecimento, com preços menores ou iguais aos preços médios obtidos:
 
Araçatuba: 
Droga Raia –
33 itens de 50 encontrados (66%)
Farmácia Princesa – 26 itens de 48 encontrados (54%)
Farmais – 46 itens de 47 encontrados (98%)
Multidrogas – 15 itens de 41 encontrados (37%)

Presidente Prudente: 
Droga Raia –
7 itens de 46 encontrados (15%)
Drogaria Rizzo – 18 itens de 44 encontrados (41%)
Drogasil – 02 itens de 45 encontrados (4%)
Multidrogas – 23 itens de 33 encontrados (70%)
 
A  Farmais de Araçatuba foi o que apresentou a maior quantidade de produtos com menor preço (37 produtos dos 46 encontrados).
 
É importante destacar que as drogarias / farmácias devem etiquetar o medicamento com o preço de venda ao consumidor, não podendo ultrapassar o PMC (Preço Máximo ao Consumidor) calculado de acordo com o disposto na Resolução nº 2, de 8 de março de 2010, da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). Sendo que, em 31/03/10 as empresas produtoras de medicamentos foram autorizadas a reajustar os preços dos medicamentos, nos termos da Resolução nº 2. O PMC é definido pela ANVISA e as farmácias/drogarias podem praticar qualquer preço para o medicamento, desde que não ultrapassem esse valor máximo.
 
O critério utilizado para a pesquisa, que envolveu 08 estabelecimentos e 50 medicamentos, foi o "preço com desconto máximo para o cliente comum", independe da exigência de cadastro do consumidor. Cliente comum é aquele que não possui nenhuma condição especial (aposentado, empresas, planos de saúde conveniados etc.).
 
Percentual de abastecimento de produtos, por cidade, em relação ao total de 50 itens divulgados:
 
Araçatuba:  
Droga Raia –
50 itens (100%)
Farmácia Princesa – 48 itens (96%)
Farmais – 47 itens (94%)
Multidrogas – 41 itens (82%)
             
Presidente Prudente: 
Droga Raia –
46 itens (92%)
Drogaria Rizzo – 44 itens (88%)
Drogasil – 45 itens (90%)
Multidrogas – 33 itens (66%)
Planilha da Pesquisa
 
Gráficos da Pesquisa
 
09/06/2010
Assessoria de imprensa
Procon-SP


 
Para orientações e denúncias ligue para 151. O horário de funcionamento é de segunda à sexta das 8h às 17h.
Fundação Procon - SP - Todos os direitos reservados